Início » Histórias da Bíblia » Historia de Moises, quem foi Moises?

Historia de Moises, quem foi Moises?

A grande pergunta é, “Quem foi Moisés? qual a historia de moisés? Moisés foi um dos personagens mais importantes no Antigo Testamento bíblico, se não, o mais importante.

Alguns estudiosos chegam a compará-lo à Cristo em relação à importante significância do Filho de Deus no Novo Testamento. Obviamente que essa comparação deve ser lida com as devidas considerações partindo do principio que Moisés é uma criação de Deus e Jesus é o próprio Deus, mas muito se fala dessa forma pensando em tudo o que ele representou para o povo de Israel, na libertação dos mesmos das mãos dos egípcios, bem como os milagres, prodígios e profecias de Deus através dele.

No final do livro de Deuteronômio há uma afirmação acerca de Moisés que revelam a magnitude e importância da sua vida, apesar de ser um humano limitado e com falhas como todos nós:

“Em Israel, todavia, nunca mais se levantou um profeta como Moisés, com quem o Senhor houvesse dialogado face a face. Também jamais surgiu alguém que realizasse milagres, sinais portentosos e maravilhas semelhantes àquelas que Moisés, em obediência às ordens do Senhor, fez no Egito contra o Faraó, contra todos os seus servos e exércitos, e contra a terra dos egípcios. Porquanto em momento algum houve uma pessoa que demonstrasse tamanho poder como Moisés, tampouco realizasse as obras temíveis que Moisés ministrou à vista de todo o povo de Israel” (Deuteronômio 34.10-12).

quem-foi-historia-de-moises

A autoria do Pentateuco

Pentateuco é um dos nomes que se dá aos primeiros cinco livros do Antigo Testamento, a saber: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio.

Há uma concordância de que a autoria desses livros é de Moisés, porém acredita-se também que para narrar e escrever o final do livro de Deuteronômio, por exemplo, ele contou com a ajuda de alguém, pois o último capítulo desse livro narra a sua própria morte (34).

O nascimento de Moisés

Havia se levantado um novo rei sobre o Egito e este ordenou as parteiras da época que todos os meninos entre os hebreus que nascessem naqueles dias deveriam ser mortos (Êxodo 1.16), pois ele estava receoso com o crescimento substancial daquele povo e as consequências vindouras (Êxodo 1.8-14). Mas as parteiras que eram tementes a Deus fizeram exatamente o contrário e deixavam os meninos viver (Êxodo 1.17). Posteriormente o Faraó ordenou que todos os meninos fossem lançados no rio Nilo (Êxodo 1.22).

As Sagradas Escrituras dizem que quando Moisés nasceu ele era um menino bonito e saudável. A mãe de Moisés conseguiu escondê-lo por três meses após o seu parto, porém quando não pôde mais, o colocou num cesto e os soltou entre os juncos no Nilo. Os juncos eram plantas delgadas, longas e flexíveis, típicos dos manguezais e brejos. Enquanto a mãe de Moisés fazia isso, sua irmã observava tudo.

A filha de Faraó, nesse contexto, havia ido até o Nilo lavar-se acompanhada de suas servas, quando percebeu entre os juncos um cesto e ao pegá-lo notou que era um menino de poucos meses que chorava muito (Êxodo 2.5-6).

A irmã de Moisés se aproximou e sugeriu àquela filha de Faraó que buscasse uma mulher entre os hebreus, de onde sabiam que era o menino, para que pudesse criar a criança e houve pronta concordância por parte da moça (Êxodo 2.9). A hebreia imediatamente abraçou o bebe e o criou. Nessa estratégia, a hebreia “escolhida” foi à própria mãe de Moisés.

Quando Moisés cresceu, ela o entregou à filha de Faraó, a qual o adotou e colocou o nome de Moisés, justificando: “Eu o tirei das águas” (Êxodo 2.10).

O significado de Moisés

O nome Moisés é de origem egípcia e significa “Nasceu” e curiosamente aparece na maioria dos nomes faraônicos como segundo elemento, segundo estudos.

Em hebraico, o nome traz a ideia de “eu tirei das águas” como apontado no versículo acima, o que enfatiza o salvamento providencial retirando o cesto do rio, além de fazer alusão ao grande livramento que Deus fez por meio de Moisés no Mar Vermelho.

Moisés foi chamado para servir a Deus

A Bíblia declara Moisés como servo do Senhor: “Israel viu o maravilhoso poder do Senhor e depositou nele sua confiança, como também em Moisés, seu servo” (Êxodo 14.31).

E Moisés era ciente das suas limitações, especialmente no inicio do cumprimento do seu chamado, ele tinha medos e dúvidas: “Quem sou eu para me apresentar diante do Faraó e fazer sair os israelitas das terras do Egito?” (Êxodo 3.11).

Moisés e o assassinato de um egípcio

Moises já era adulto e um dia descobriu que o trabalho que seus irmãos hebreus eram obrigados a fazer era duro demais e observou ainda que um egípcio espancava um hebreu indefeso. Realmente o estado que aquele povo vivia era de escravidão. Estado esse que veio a piorar com o passar do tempo (Êxodo 5.9).

Nessa ocasião, da sua visita aos hebreus, Moisés matou o egípcio por sua brutalidade. Faraó tendo noticias do ocorrido procurou matar Moisés (Êxodo 2.11-15).

Moisés e Zípora

Moisés fugiu da vista de todos e foi morar na terra de Midiã. Lá teve a oportunidade de ajudar as filhas Jetro que estava sendo atacadas por alguns pastores quando foram pegar água junto ao poço.

Quando ficou sabendo, Jetro mandou convidar Moisés para uma refeição e para morar em sua casa, este lhe deu por esposa sua filha Zípora (Êxodo 20.21-22).

Moisés no Monte Horebe

Moisés estava apascentando o rebanho de Jetro, seu sogro, acredita-se que ele permaneceu assim por quarenta anos, e certo dia estava no Horebe, o monte de Deus.

Ali um Anjo do Senhor se revelou a ele no meio de uma sarça que ardia no fogo, contudo, não era consumida pelas chamas (Êxodo 3.1).

Deus chamou Moisés no meio da sarça e lhe disse: “Não te aproximes daqui, tira as sandálias dos pés, porque o lugar em que estás é uma terra santa. Eu Sou o Deus de teus pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó!” (Êxodo 3.2-6).

Nesse “momento” como citado acima, os israelitas gemiam e clamavam por socorro divino debaixo de uma escravidão, e seu clamor subiu a Deus. E Deus disse a Moisés que iria livrá-los desse jugo: “Vou tirá-los daqui para uma terra boa e vasta, onde mana leite e mel” (Êxodo 3.8) e ali o Senhor deu todas as instruções necessárias a Moisés para ser o intermediador e libertador do povo de Israel da mão dos egípcios.

Moisés no Egito

Moises pediu permissão a Jetro para retornar ao Egito e esse lhe concedeu. Moisés encontrou Arão como o Senhor havia lhe dito que aconteceria.

Moisés e Arão se apresentaram ao rei do Egito e lhe disseram: “Deixa meu povo partir, para que possam celebrar uma festa em meu louvor, no deserto” (Êxodo 5.1). Mas o Faraó se recusou a atender aos apelos dos dois.

Num desses momentos, Faraó com o coração tão endurecido, conforme orientação do Senhor no Horebe, um grande sinal de Deus aconteceu quando o cajado que Moisés e Arão portavam se transformou numa serpente. Mas mesmo assim, o coração do Faraó se endurecia mais ainda, não dando ouvidos a Moises e Arão, mesmo depois de ter chamado os sábios e feiticeiros e tentado frustrar aquele momento reproduzindo o mesmo fenômeno (da transformação do cajado) por meio de ciências ocultas (Êxodo 7.8-13).

Moisés e as Dez Pragas no Egito

Em seguida, Deus mesmo mandou sobre o Egito dez pragas que devastaram àquela região (Êxodo 7.14-11.10). A decima praga representava a morte de todos os primogênitos que atingiria a cidade numa noite de densas trevas, apenas as casas que tivessem o sangue do cabrito imolado, conforme orientação do Senhor, nos umbrais da porta, seriam poupados (Êxodo 12.13).

Depois desse trágico episódio, Faraó mandou chamar às pressas Moisés e Arão e determinou que saíssem imediatamente do Egito junto com todos os filhos de Israel (Êxodo 12.31).

Moisés e a peregrinação do povo pelo Deserto

O povo de Israel peregrinou pelo deserto, mas ali encontraram graça do Senhor em muitas ocasiões, como por exemplo: “Durante o dia o Senhor ia adiante deles, numa coluna de nuvem, para guia-los no caminho e, de noite, numa coluna de fogo, para iluminá-los, e assim podiam caminhar de dia e durante a noite. A coluna de nuvem não se afastava do povo o dia inteiro, nem a coluna de fogo, durante toda a noite” (Êxodo 13.21-22).

Mas Israel permaneceu por quarenta anos peregrinando pelo deserto por causa da sua dureza de coração e muita murmuração, apesar de muito favor alcançado. Ao final, da geração que saiu do Egito, apenas Josué e Calebe entraram em Canaã, a terra prometida.

Foi ainda durante a sua peregrinação que Deus falou com Moisés, dentre tantas outras vezes “pessoalmente”, e lhe deu o que conhecemos como “os dez mandamentos” (Êxodo 20 / Deuteronômio 05).

Moisés e a abertura do mar

Num dos momentos da peregrinação do povo, Faraó decidiu persegui-los ainda assim, e rapidamente mandou aprontar sua carruagem e tomou consigo seu exercito (Êxodo 14.6), porém quando chegaram em frente ao mar, não tinham para onde ir, Deus abriu o mar para o povo de Israel passar com os pés secos, mas quanto aos egípcios às águas o cobriram e nenhum dos egípcios que entrou no mar conseguiu sobreviver (Êxodo 14.15-31).

A morte de Moisés

Moisés tinha cento e vinte anos de idade quando morreu em Moabe, avistando toda a terra de Canaã, a qual o Senhor prometeu sob juramento a Abraão, Isaque e Jacó, avistando-a com os próprios olhos, mas sem poder atravessar o rio para adentrá-la (Deuteronômio 34.1-7).

Veja Também

Miguel Leme

Criador do Projeto Gospel, desenvolveu o projeto para levar a palavra de Deus ao máximo de pessoas possível, através da Internet. Juntamente com alguns colaboradores traz “estudos, sermões, histórias, significados entre outras categorias relacionadas”.

Miguel Leme

Criador do Projeto Gospel, desenvolveu o projeto para levar a palavra de Deus ao máximo de pessoas possível, através da Internet. Juntamente com alguns colaboradores traz “estudos, sermões, histórias, significados entre outras categorias relacionadas”.