Projeto Gospel - Tudo sobre a Bíblia Sagrada
Início » Histórias da Bíblia » História de Maria → Mãe de Jesus

História de Maria → Mãe de Jesus

 O conteúdo desse artigo respeita rigorosamente as informações contidas no Novo Testamento do cânon bíblico, para isso, com todas as ressalvas, convicções e respeito que carregamos, a história será contada a partir dessa ótica.

Fatos importantes estão sendo considerados, sendo assim informamos que foram feitas pesquisas minuciosas, lidos e entendidos todos os versículos com citações do nome “Maria” ou com a expressão “mãe de Jesus”. Qualquer outro versículo que contém o nome Maria, mas subentende que a referência é sobre outra mulher, por respeito e fidelidade à Palavra foram excluídas desse artigo.

Sendo assim, boa leitura!

historia-de-maria-mãe-de-jesus

Quem foi Maria de Nazaré

“Mulher agraciada”, essa foi à expressão do anjo Gabriel para jovem e ainda virgem Maria, em aramaico Mariâm, quando ele foi anunciar que ela teria o privilegio de gerar em seu ventre o Salvador do mundo, Jesus. Isso aconteceu em Nazaré, uma cidade da Galileia.

Quando o Gabriel apareceu e falou com Maria ela estava comprometida para casamento com um homem chamado José, ambos eram descendentes de Davi. Naturalmente Maria ficou intrigada e perguntou ao Gabriel como que ela poderia engravidar e dar a luz a um filho, sendo que ela ainda era virgem, contudo o anjo enviado pelo Eterno a acalmou dizendo:

“O Espírito Santo virá sobre ti e o poder do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra. E por este motivo, o ser que nascerá de ti será chamado Santo, Filho Deus” (Lucas 1.35).

Paralelo a esse grande acontecimento, Isabel, esposa de Zacarias, pais de João Batista, parenta de Maria, também estava grávida. O João Batista e Jesus tinham poucos meses de diferença em suas idades. Nessa ocasião o anjo aproveitou para contar-lhe o milagre na vida do casal Zacarias e Isabel, pois além de estéril, ela já tinha idade avançada. Maria colocou-se a disposição do Senhor: “Eis aqui a serva do Senhor, que se realize em mim tudo conforme a tua palavra”.

Durante alguns dias Maria preparou-se, já gravida, e foi visitar a Isabel, as Sagradas Escrituras contam que assim que Isabel ouviu a saudação de Maria, o bebê que estava em seu ventre, João Batista se agitou e ela ficou plena do Espirito Santo. Maria ficou alguns meses hospedada com Isabel.

A Maria, como comentamos acima, estava prometida em casamento a José naquele momento, portanto ela havia sido desposada, isso significa, conforme o judaísmo da época, uma espécie de noivado definitivo. Um compromisso de casamento sem possibilidade de arrependimento.

O Senhor estava no controle de tudo, mas como ela era virgem e ficaria gravida sem relação sexual, qualquer infidelidade por parte da mulher a partir desse pacto de compromisso a levaria a ser punida com a pena de morte por apedrejamento, tanto para a virgem que cometeu adultério quanto para o homem que a tivesse seduzido.

Sendo assim, o José, seu noivo, sendo um homem justo e não querendo expô-la à desonra pública, planejou deixa-la sem que ninguém soubesse a razão, porém afirmamos novamente que o Senhor estava no controle de tudo, por isso um anjo apareceu para ele em sonho e lhe disse que ele deveria receber a Maria como sua mulher porque o que nela estava sendo gerado era do Espírito Santo, o menino Jesus que estava sendo gerado ali salvaria o seu povo dos seus pecados.

O José, despertando, fez conforme o anjo lhe tinha orientado e recebeu Maria como sua mulher, mas não teve relações sexuais com ela até que Jesus nascesse (Mateus 1.19-25). Jesus, a saber, estava na condição de ser 100% divino e 100% homem.

Passando-se o tempo, o Senhor Jesus nasceu e após o seu nascimento, em Belém onde ela estava ao lado de José para fazerem um cadastramento por ordem do império romano na cidade onde haviam nascido (Lucas 2.1-7), Maria apresentou o seu filho Jesus ao Eterno, de acordo com a Lei de Moisés que dizia: “Todo primogênito nascido do sexo masculino deverá ser dedicado ao Senhor” (Lucas 3.22-23), bem como ofereceu ao Senhor sacrifício de louvor.

O evangelho de Jesus segundo escreveu Mateus nos conta que alguns sábios sabendo do seu nascimento foram visita-lo e chegando ao local o adoraram, contudo Herodes também sabia do que havia sucedido e eles estavam com a missão de retornar e dizer ao Herodes sobre Jesus, porém foram avisados em sonho dos planos de matar o menino e por isso não voltaram descumprindo a missão. Os sábios foram avisados em sonho para que não voltassem.

Nesse mesmo tempo Maria foi com o seu filho recém-nascido e seu marido José para o Egito e permaneceu lá até a morte de Herodes, pois como comentamos este o queria matar. Movido por tremenda fúria, Herodes mandou matar todos os meninos com até dois anos em Belém e na região em volta da cidade, eles não retornaram até a morte do Herodes. Após a sua morte eles foram para a região da Galileia e viveram numa cidade chamada Nazaré, conhecido como o local mais improvável para o surgimento ou residência do Salvador (Mateus 2.1-23).

Outros fatos importantes de Maria

É impossível desassociar o fato de Maria sempre estar atrelada as histórias envolvendo o Senhor Jesus.

Quando Jesus tinha doze anos, encerradas as comemorações da festa da Páscoa, o menino Jesus ficou em Jerusalém, lugar onde eles viajavam para celebrar a festa, sem que Maria e José percebessem. Quando eles sentiram falta do menino dentre os outros que os acompanhavam começaram a procura-lo e retornaram para Jerusalém, após três dias o encontraram no templo, sentado na companhia dos mestres, ouvindo-os e propondo-lhes questões, todos ficavam maravilhados com o que estava acontecendo, assim que o avistou, Maria o inquiriu: “Filho, por que agiste assim conosco? Teu pai e eu nos angustiamos muito à tua procura” (Lucas 2.48). Jesus era obediente e assim seguiu com os seus pais.

Outro momento da história em que Maria aparece, anos mais tarde, é no primeiro milagre de Jesus, em um casamento em Caná da Galileia, na transformação de água em vinho (João 2.1-12). Nessa ocasião vemos Jesus referindo-se a sua mãe como “Mulher”, contudo esse não era um termo desrespeitoso, pelo contrário ele se associa a “Senhora ou Madame” como um sinal de respeito e gentileza que Ele sempre teve com a sua mãe, bem como a consideração que sempre teve com as mulheres.

O Senhor Jesus teve outros irmãos, consequentemente Maria era a mãe deles, de pelo menos quatro nós temos os nomes: Tiago, José, Simão e Judas (Mateus 13.55; Marcos 6.3).

Maria aos pés da cruz: Maria, mãe de Jesus, esteve aos pés da cruz no momento da consumação da obra da salvação pela expiação do Senhor Jesus (Mateus 27.56, Marcos 15.40, João 19.25). Há menções de uma Maria indo visitar o tumulo de Jesus, porém, por exemplo, Mateus escreve “outra Maria” (27.61) e nisso entende-se que não se tratava da Maria, mãe de Jesus.

A última menção de Maria na Bíblia…

A última menção de Maria nas Sagradas Escrituras encontra-se na carta “Atos dos Apóstolos”: “Todos estes perseveravam unânimes em oração, juntamente com as mulheres, com Maria, mãe de Jesus, e com os irmãos dele” (1.14), enquanto aguardava o cumprimento da promessa da descida do Espírito, ao lado de tantos outros, o conhecido “Pentecostes” registrado no inicio da carta de Atos.

[Total: 2    Média: 3/5]

Adicionar comentário

Publicidade