Início » Parábolas de Jesus » Parábola do Rico e Lázaro

Parábola do Rico e Lázaro

O evangelho segundo Lucas nos conta que Jesus estava conversando com os seus discípulos valendo-se de parábolas (Lucas 16.1a) e que os fariseus, conhecidos por sua avareza, escutavam tudo isso e procuravam ridicularizar a Jesus, mas Ele lhes advertiu:

“Vós sois os que justificais a vós mesmos à vista das pessoas, todavia Deus conhece o vosso coração; pois àquilo que as pessoas atribuem grande valor é detestável aos olhos de Deus” (Lucas 16.14-15).

Os fariseus, munidos de sua boa cultura e aparente perfeição religiosa gostavam de serem bem reconhecidos e receberem os elogios que vem dos homens, pois amavam mais a honra terrestre do que a glória de Deus (João 12.43), mas Jesus os adverte que “Deus conhece o coração deles” e assim foi e sempre será, pois nada fica oculto aos olhos de Deus.

Portanto, nada é desapercebido e nada fica escondido aos olhos do Eterno. Ele conhece o nosso coração, bem como conhecia o coração dos fariseus, do rico da parábola, do Lázaro, entre outros.

parabola-rico-e-lazaro

Parábola o rico e Lázaro na bíblia

Sendo assim, Jesus propôs uma nova parábola e começando sua narrativa descreveu as características dos dois personagens principais: o rico avarento e Lázaro.

O homem rico vestia-se de púrpura e de linho finíssimo e vivia sempre cercado de luxos (Lucas 16.19) e Lázaro era um homem, cujo nome em hebraico significa “Deus me socorreu”, este, coberto de chagas, vivia de esmolas.

Lucas, autor desta carta, como médico e não sendo testemunha ocular da vida e ministério de Jesus, mas com o seu compromisso de investigar todas as informações em minucias para a elaboração de sua narrativa (Lucas 1.3), não poderia deixar passar a informação “das chagas” no corpo de Lázaro para expressar a profundidade e gravidade de suas feridas.

Jesus continua a sua narrativa dizendo que Lázaro foi abandonado do portão da residência do homem rico. Estudiosos e historiadores afirmam que a palavra grega traduzida no português como “abandonado” é “esbebleto” e que tem o literal sentido de “ser jogado”, ou seja, Lázaro estava ali realmente abandonado, jogado, desprezado, pior do que um objeto.

A parábola conta que Lázaro ansiava se alimentar ao menos das migalhas que caíssem da mesa (Lucas 16.21) tamanha era a sua necessidade e condição, contudo não obtendo a compaixão e o socorro necessário por parte do rico avarento (é essa a condição em que esse homem é descrito), até que ambos morreram.

A morte foi “igual” para os dois personagens dessa parábola, contudo os destinos foram totalmente diferentes.

Parábola o rico e Lázaro: Explicação

Na história da parábola ambos tinham vidas distintas e após a sua morte continuaram com suas histórias diferentes, porém os “papeis foram invertidos”.

O rico, cheio de si e suficiente em nele mesmo, avarento amando exageradamente as riquezas e o que elas ofereciam, bastou-se, sem compaixão agora recebia as consequências de sua indiferença e oposição não velada as Escrituras. Enquanto Lázaro, que sonhava com uma vida digna, a cura e ajuda, aceitou a vontade de Deus até aqui e realizou o seu sonho e alcançou sua recompensa.

Os papeis estão tão invertidos que agora quem mendiga é o rico para Lázaro (Lucas 16.24).

Diante da realidade tão conhecida por aquele homem e já que para ele não tinha mais jeito, suplicou que então Lázaro fosse até a sua casa anunciar aos seus familiares essas verdades para que não fossem parar naquele local tão terrível e cheio de tormentas (Lucas 16.27-28), contudo o pedido foi negado dizendo que “eles tinham Moisés e os Profetas para ouvirem” (Lucas 16.29).  Abraão estava se referindo ao Antigo Testamento.

O destino do rico e Lázaro após a morte

Enquanto Lázaro foi “levado para junto de Abraão”, o rico avarento foi enviado ao Hades.

Ser levado a presença de Abraão, também conhecido como “seio de Abraão”, significa “como sendo o lar eterno dos justos”, estar num lugar de paz e felicidade, o verdadeiro repouso, onde vão todos os justos aguardando o “Dia do Senhor” – é a conhecida frase: “agora ele descansa do Senhor aguardando o dia da ressurreição”.

Quanto ao Hades, algumas versões traduzem a palavra como “inferno”, contudo “Hades” ou “Sheol” (em hebraico) refere-se ao lugar para onde vão todas as almas após a morte física. A Bíblia de estudos “King James” explica em suas observações que: “O Hades é dividido em duas áreas: paraíso e o lugar do tormento, onde os ímpios esperam pelo Juízo final para a condenação (Apocalipse 20.11-15)”.

Os tormentos começam no “Hades” que possuem todas as características do fogo do inferno como Jesus comentou nessa parábola (Lucas 15.23), pois ele disse que o homem rico estava ali em tormentos. Ainda segundo “King James”: O paraíso (seio de Abraão) está separado por um abismo intransponível entre o mundo inferior e os lugares celestes.

Conclusão sobre a parábola do Rico e Lázaro para nossas vidas.

A morte não é o fim de todas as coisas e nessa parábola Jesus abre o caminho para mais uma vez afirmar a existência do céu e do inferno e explicar que na terra todos somos passageiros, pois há uma vida e uma morte eterna ou uma condenação eterna nos esperando.

O céu e o inferno são de verdade. Alguns teólogos não reconhecem essa parábola como literal, mas o que importa é que Jesus abriu os olhos dos que ouviam naquele momento e de todos àqueles que ainda ouvirão, assim como nós hoje.

E então, Jesus encerra a parábola dizendo que o rico avarento pede que “alguém dentre os mortos” vá ter com seus familiares para que então se arrependam, contudo conclui que se o coração de alguém estiver avesso ao Espírito e a Palavra for rejeitada, não há evidência de milagre a vista humana que façam que se arrependam.

O rico rejeitou a Palavra, a parábola diz que os seus familiares tinham acesso a Palavra e por isso deveriam ouvir.

Preste atenção: Assim como proclama o Espírito Santo:

“Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais o vosso coração, como ocorreu na rebelião, durante o tempo da provação no deserto, onde vossos pais me tentaram, pondo-me a prova, ainda que, durante quarenta anos, tenham contemplado as minhas obras; Por este motivo, me indignei contra essa geração e declarei: ‘O coração destes está sempre se desviando e não reconheceram os meus caminhos’!” (Hebreus 3.7-10).

“Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz a igreja”. Sim, essa é uma Palavra do Apocalipse e não há absolutamente nenhuma heresia em encaixá-la aqui, pois o Espírito Santo está falando.

E você, o que fará depois de ler essa palavra?

Miguel Leme

Criador do Projeto Gospel, desenvolveu o projeto para levar a palavra de Deus ao máximo de pessoas possível, através da Internet. Juntamente com alguns colaboradores traz “estudos, sermões, histórias, significados entre outras categorias relacionadas”.

Miguel Leme

Criador do Projeto Gospel, desenvolveu o projeto para levar a palavra de Deus ao máximo de pessoas possível, através da Internet. Juntamente com alguns colaboradores traz “estudos, sermões, histórias, significados entre outras categorias relacionadas”.